Na manhã de 17 de setembro de 1985, um objeto estranho fez os argentinos olharem para cima. Os ufólogos esfregaram as mãos e os céticos se perguntaram o que era, inclinando a balança para um simples balão de observação meteorológico. A verdade é que as discrepâncias ainda persistem até os dias de hoje e cada parte parece ter uma nova documentação que respalda o que aconteceu na época.

Um Lear Jet rapidamente fretado pelo canal de televisão “Channel 9”, levou piloto, jornalista e cinegrafista a próximo do objeto, conseguindo gravar uma imagem muito ruim, já que o mesmo estava muito acima do teto operacional do pequeno jato executivo. Uma aeronave de passageiros Boeing 747-200 da Iberia, seus tripulantes e passageiros, também avistaram o objeto, inclusive orbitando abaixo dele.

A imagem do OVNI obtida pelo Lear Jet argentino.

O caso ilustrado na pintura foi registrado por uma aeronave de dois lugares Dassault Mirage IIIDA (conversão operacional) da Força Aérea Argentina (FAA), o I-001, pilotado por um conhecido heroi da Guerra das Malvinas/Falklands, o então capitão Carlos “Trucha” Varela, que pilotou a aeronave de ataque Douglas A-4B Skyhawk no conflito de 1982 e depois da guerra transicionou para o Mirage III.

O então capitão Carlos “Trucha” Varela (a direita), em 1982.

Ele mesmo já relatou sua interceptação muitas vezes, afirmando que foi o único que o fez, sem se lembrar de quem era o piloto que o acompanhava no assento traseiro. Foi abundantemente escrito que havia mais um caça Mirage III na perseguição, mas a informação foi desmentida pelo próprio Varela em entrevistas posteriores.

Também parece ser verdade o fato de que, subindo a 55.000 pés (cerca de 16.700 metros), Varela tentou fazer com que o míssil ar-ar que carregava (um Matra 530) travasse no alvo, mas ele voava a 20.000 pés (mais de seis mil metros) abaixo do OVNI, sendo bastante difícil o acerto. Também parece ser verdade que, ao pedir autorização para abrir fogo, a mesma foi negada.

Recentemente foi pintada a silhueta de um “disco voador” no leme de uma aeronave de treinamento IA-63 “Pampa”, em homenagem a esse fato ocorrido há mais de 35 anos atrás.

A imagem de um disco voador pintado em um IA 63 Pampa da FAA. (Foto de Andres Rangugni).

O Brasil também teve a sua perseguição aos OVNIS, quando caças da Força Aérea Brasileira (FAB) e aeronaves civis avistaram cerca de 21 objetos voadores não identificados na noite do dia 19 de maio de 1986, oito meses depois do incidente argentino.

IMAGEM DE CAPA: Arte retratando a suposta interceptação que o Dassault Mirage IIIDA I-001 da Força Aérea Argentina (FAA) efetuou, nos arredores do Aeroporto Internacional de Ezeiza, próximo a Buenos Aires, capital da Argentina.

FONTES: Página “Argentina at War” e o Facebook do Canal Militarizando.

AGRADECIMENTOS: Ao canal “Aviones Argentinos” do Instagram, que lutam bravamente para preservar a História da Aviação Militar da Argentina, pela cessão de algumas imagens.