QUANDO ISRAEL ROUBOU UM RADAR EGÍPCIO: A “OPERAÇÃO ROOSTER 53”

A “Operação Rooster 53” foi uma operação militar israelense durante a Guerra de Atrito para capturar um sistema de radar egípcio P-12 (então um moderno radar VHF de rastreio e guiagem dos mísseis SA-2 “Guideline”). Frequentemente chamada apenas de “Operação Rooster” (“Galo”), foi realizada na noite de 26 e 27 de dezembro de 1969.

A Guerra de Atrito (1967-73) estourou ao longo do Canal de Suez, enquanto o Egito tentava recapturar a Península do Sinai, que Israel ocupou durante a Guerra dos Seis Dias. O Egito recebeu uma quantidade considerável de equipamento militar, incluindo tanques, sistemas de radar e armas, da União Soviética.

Durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967, Israel capturou alguns desses equipamentos, o que permitiu obter muitas informações sobre os pontos fracos dos seus equipamentos e da defesa aérea egípcia. À medida que novos sistemas chegavam ao Egito, Israel fazia um esforço para aprender como lidar com eles. As missões de reconhecimento mostraram que um sistema de radar P-12 foi colocado na praia de Ras Gharib, no lado egípcio do Canal de Suez. Uma tentativa de destruí-lo com um ataque aéreo foi cancelada e o comando israelense resolveu então simplesmente roubá-lo dos egípcios, a fim de estudá-lo.

O planejamento da missão começou em 24 de dezembro. Ela recebeu a aprovação da cadeia de comando das Forças de Defesa Israelenses (IDF) e o treinamento começou em sistemas de radar que haviam sido capturados durante a Guerra dos Seis Dias. Helicópteros pesados Sikorsky CH-53 Sea Stallion foram escolhidos para transportar o radar até o território israelense.

As forças participantes da missão seriam o 50º batalhão da Brigada Nahal, a unidade de reconhecimento de paraquedistas de elite “Sayeret Tzanhanim” e a Força Aérea Israelense (IDF/AF).

A missão foi lançada às 21h00min do dia 26 de dezembro. Aeronaves Douglas A-4 Skyhawk e McDonnell Douglas F-4 Phantom II da IAF começaram a atacar as forças egípcias ao longo da margem oeste do canal de Suez e do Mar Vermelho, a fim de distraí-los. Escondidos pelo barulho dos jatos de ataque, três Aérospatiale Super Frelon, transportando a força de ataque. Liderados pelo tenente-coronel Arie Sidon, dirigiram-se para o oeste em direção ao alvo. Fazendo sua abordagem com cuidado para não serem vistos prematuramente, os paraquedistas subjugaram o pequeno contingente egípcio que protegia o radar e rapidamente assumiram o controle do local.

Um Aérospatiaele Super Frelon da IDF/AF, semelhante ao que transportou as tropas durante a operação.
Um Sikorsky CH-53 Sea Stallion da IDF/AF, do mesmo modelo que transportou o radar capturado.

Por volta das 2h00min do dia 27 de dezembro, quando os paraquedistas desmontaram a estação de radar e prepararam para o transporte dos helicópteros CH-53, os dois helicópteros foram chamados do outro lado do Mar Vermelho. Um CH-53 carregava o caminhão de comunicações e a antena de radar, enquanto a outra pegou o próprio radar de quatro toneladas, mais pesado. Os dois helicópteros voltaram pelo Mar Vermelho para o território controlado por Israel.

Depois que o radar foi evacuado, os paraquedistas destruíram os geradores e posições usando cargas úteis com fios de atraso de nove minutos (para dar a impressão aos egípcios que o radar fora destruído num ataque aéreo) e se deslocaram cerca de dois quilômetros para oeste até o ponto de evacuação com os prisioneiros egípcios. Três helicópteros de evacuação Super Frelon identificaram a força e os transportaram até o território israelense por volta das 04h00min. No aeroporto, o chefe do Estado-Maior e os oficiais da brigada os cumprimentaram. O radar chegou a Israel em boas condições e foi entregue por transporte terrestre seguro ao pessoal de inteligência técnica da Força Aérea, que o estudou exaustivamente. Hoje o radar está exposto no Museu da Força Aérea israelense, em Hatzerim.

IMAGEM DE CAPA: O radar P-12 egípcio capturado, hoje exposto no Museu da Força Aérea Israelense.

FONTES: Wikipédia e o Facebook do Canal Militarizando.