A “Batalha de Điện Biên Phủ”, também conhecida de forma simplificada como “Dien Bien Phu” (13 de março a 7 de maio de 1954) foi o confronto decisivo na Guerra da Indochina (1946–54). Foi travada entre o Corpo Expedicionário Francês do Extremo Oriente da União Francesa na Indochina e os revolucionários comunistas do Viet Minh.

Depois que as forças francesas ocuparam o Vale de Dien Bien Phu no final de 1953, o comandante do Viet Minh Vo Nguyen Giap reuniu tropas e colocou artilharia pesada em cavernas nas montanhas com vista para a base francesa. Impulsionado pela ajuda chinesa, o general Vo Nguyen Giap, comandante militar do Viet Minh, montou assaltos aos pontos fortes da oposição a partir de março de 1954, eliminando o uso do campo de aviação francês. As forças do Viet Minh invadiram a base no início de maio, levando o governo francês a buscar o fim dos combates com a assinatura dos Acordos de Genebra de 1954.

Soldados franceses sob ataque do Viet Minh em Dien Bien Phu.
Soldado do Viet Minh observando as posições francesas em Dien Bien Phu.

A França concordou em retirar suas forças de todas as suas colônias na Indochina Francesa, enquanto estipulava que o Vietnã seria temporariamente dividido no paralelo 17, com o controle do norte dado ao Viet Minh como a República Democrática do Vietnã (conhecido posteriormente como Vietnã do Norte) sob o comando Ho Chi Minh, e o sul tornando-se o Estado do Vietnã (conhecido posteriormente como Vietnã do Sul), nominalmente sob o imperador Bảo Đại, impedindo Ho Chi Minh de garantir o controle de todo o país.

A batalha que definiu o destino da Indochina Francesa foi iniciada em novembro de 1953, quando as forças do Viet Minh, por insistência chinesa, atacaram Lai Chau, a capital da Federação T’ai (no Alto Tonkin), que era leal aos franceses. Como Pequim esperava, o comandante-chefe francês na Indochina, general Henri Navarre, saiu para defender seus aliados porque acreditava que os “maquis” do T’ai formavam uma ameaça significativa na “retaguarda” do Viet Minh (os T’ai forneciam aos franceses ópio que era vendido para financiar as operações especiais francesas) e queriam evitar uma varredura do Viet Minh no Laos.

Soldados franceses observando a chegada dos paraquedistas, marcando o início da “Operação Castor”.

Por considerar Lai Chau impossível de defender, em 20 de novembro Navarre lançou a “Operação Castor” com lançamento de paraquedista no amplo Vale de Dien Bien Phu, que foi rapidamente transformado em um perímetro defensivo de oito pontos fortes organizados em torno de uma pista de pouso. Quando, em dezembro de 1953, os T’ais tentaram marchar para fora de Lai Chau em direção a Dien Bien Phu, eles foram duramente atacados pelas forças do Viet Minh. O comandante do Viet Minh, Vo Nguyen Giap, com considerável assessoria chinesa, reuniu tropas e colocou artilharia pesada em cavernas nas montanhas com vista para o acampamento francês.

Paraquedista francês defendendo sua posição assim que chegou ao solo (observe o paraquedas ao lado) em Dien Bien Phu.

Em 13 de março de 1954, Giap lançou um ataque maciço ao ponto forte de Beatrice, que caiu em questão de horas. Os pontos fortes Gabrielle e Anne-Marie também foram invadidos dias depois, o que negou aos franceses o uso do campo de aviação, a chave para a manutenção da defesa francesa. Reduzido a lançamentos aéreos para suprimentos e reforço, incapaz de evacuar seus feridos, sob constante bombardeio de artilharia e no limite extremo do alcance aéreo, o moral do acampamento francês começou a se desgastar.

O mapa da batalha.

À medida que as monções transformavam o acampamento de uma tigela de poeira em um pântano de lama, um número crescente de soldados, quase quatro mil no final do cerco em maio, desertou para cavernas ao longo do rio Nam Yum, que atravessava o acampamento; eles emergiram apenas para apreender suprimentos deixados para os defensores. Os “Ratos do Nam Yum” tornaram-se prisioneiros de guerra quando a guarnição se rendeu em 7 de maio.

Apesar desses sucessos iniciais, as ofensivas de Giap esbarraram na resistência tenaz dos paraquedistas e legionários franceses. Em 6 de abril, perdas terríveis e baixo moral entre os agressores fizeram Giap suspender suas ofensivas. Alguns de seus comandantes, temendo a intervenção aérea dos EUA, começaram a falar em retirada. Mais uma vez, os chineses, em busca de uma vitória espetacular para levar às negociações de Genebra programadas para o verão, intervieram para endurecer a determinação do Viet Minh: foram trazidos reforços, assim como os lançadores de foguetes múltiplos da era da Segunda Guerra Mundial Katyusha, enquanto os engenheiros militares chineses preparavam o Viet Minh em táticas de cerco.

Quando Giap retomou seus ataques, os ataques de ondas humanas foram abandonados em favor de técnicas de cerco que empurraram teias de trincheiras para isolar os pontos fortes franceses. O perímetro francês foi gradualmente reduzido até que, em 7 de maio, a resistência cessou. O choque e a agonia da perda dramática de uma guarnição de cerca de quatorze mil homens permitiu ao primeiro-ministro francês Pierre Mendès France reunir apoio parlamentar suficiente para assinar os Acordos de Genebra de julho de 1954, que essencialmente encerraram a presença francesa na Indochina.

Soldados do Viet Minh comemoram a vitória na batalha sobre as antigas posições francesas.

O Viet Minh capturou 8.000 franceses na batalha, que marcharam cerca de 800 km a pé até os campos de prisioneiros; menos da metade sobreviveu à marcha. Do total de 10.863 prisioneiros (incluindo vietnamitas lutando pelos franceses), apenas 3.290 foram repatriados quatro meses depois, como resultado dos Acordos de Paris; no entanto, o número de perdas pode incluir os 3.013 prisioneiros de origem vietnamita cujo destino é desconhecido. O governo vietnamita relatou suas baixas na batalha como 4.020 mortos, 9.118 feridos e 792 desaparecidos. Os franceses estimaram as baixas do Viet Minh em 8.000 mortos e 15.000 feridos.

A Batalha de Dien Bien Phu marcou o fim da colonização francesa da Indochina e também foi um marco no início do processo de descolonização da Ásia, mas ajudou a colocar o Sudeste Asiático na esfera das grandes potências durante a Guerra Fria, lançando as sementes de um conflito que abalaria a região na década seguinte: A Guerra do Vietnã.

Prisioneiros franceses na “Marcha da Morte”. Muitos não voltaram para casa.
O local da batalha hoje.

IMAGEM DE CAPA: Arte retratando os soldados franceses sendo atacados pelas forças do Viet Minh durante a Batalha de Dien Bien Phu.

FONTES: Robert Cowley e Geoffrey Parker por Houghton Mifflin Harcourt Publishing Company; Canal “As Guerras da História” no Facebook; Wikipédia; Pinterest; Facebook do Canal Militarizando.