O Batalhão Colombiano (“Batallón Colombia”) foi um batalhão de Infantaria (na verdade, uma brigada) do Exército Colombiano, com membros da Marinha Colombiana, que serviu pela bandeira da Organização das Nações Unidas (ONU) durante a Guerra da Coréia (1950-1953). A Colômbia foi o único país latino-americano que atendeu ao chamado da ONU, participando do conflito.

Primeira unidade militar colombiana a servir na Ásia, o Batalhão Colombiano foi vinculado à 7ª Divisão de Infantaria e à 25ª Divisões de Infantaria do Exército dos Estados Unidos (US Army) durante a guerra. O batalhão esteve em atividade entre 1951 e 1954.

Soldados do Batalhão Colombiano, dentre eles um marinheiro da Armada Colombiana, de folga durante a Guerra da Coreia.

A força total do batalhão era de 5.100 soldados de infantaria e 300 marinheiros da Marinha (Armada Colombiana) a bordo das fragatas ARC Almirante Padilla, ARC Capitán Tono e ARC Almirante Brión, que efetuaram missões de patrulha, escoltaram os porta-aviões, navios de transporte e desembarque da Coalizão.

A fragata “ARC Almirante Brión”, um dos navios que a Armada Colombiana enviou para a Coreia.

A infantaria do Batalhão Colombiano foi destacada para Busan em 15 de junho de 1951 sob o comando do Coronel Jaime Polanía Puyo. O batalhão participou da Operação Thunderbolt, da Batalha de Old Baldy (onde sofreu pesadas baixas), da Batalha de Triangle Hill e da recaptura de Geumseong.

O emblema do Batalhão Colombiano

O Batalhão Colombiano sofreu 163 mortos em combate, 448 feridos, 60 desaparecidos e 30 capturados durante o conflito. Em junho de 1954, um ano após o armistício, o batalhão retornou para a Colômbia, sob grande festa, e seus membros foram bastante homenageados.

A bandeira do Batalhão Colombiano sendo condecorada por bravura penas Nações Unidas.

O Monumento aos Herois de Bogotá foi concebido como uma homenagem ao Batalhão Colombiano. No dia 15 de junho de 2014, um Monumento aos Herois Caídos da Colômbia que participaram da guerra foi inaugurado em Hwacheon (Coreia do Sul). Outro monumento na Coreia do Sul é o Parque Gyeongmyeong, também conhecido como Parque Colômbia, localizado na cidade de Incheon.

Detalhe do monumento em homenagem aos soldados colombianos que combateram na Guerra da Coreia, situado no Parque Gyeongmyeong.

IMAGEM DE CAPA: O Batalhão da Colômbia fez história na Guerra da Coreia. Aqui alguns soldados posam com a bandeira que o presidente colombiano Laureano Gómez presenteou ao batalhão para ser levada ao conflito na Península Coreana.

NOTA DO CANAL MILITARIZANDO: O Brasil, assim com a Colômbia, também foi convidado para enviar tropas para lutar na Guerra da Coreia, mas o então Presidente Getúlio Vargas, recusou o convite, e tal recusa causou uma retaliação dos Estados Unidos, que barraram a compra de equipamento militar para nossas Forças Armadas, principalmente o caça North American F-86 Sabre, que era desejado pela Força Aérea Brasileira (FAB) para reequipar nossa defasada Aviação de Caça, então equipada com os obsoletos Republic P-47 Thunderbolt e Curtiss P-40 Warhawk. A solução então foi comprar um lote do caça inglês Gloster Meteor F Mk.8/TF Mk.7, aqui chamados de F-8 e TF-7, em 1953.

FONTES: Wikipédia e Facebook do Canal Militarizando.