A Batalha de Huê, ou Hué (31 de janeiro a 2 de março de 1968), também chamada de Cerco de Huê, foi um importante confronto militar na Ofensiva Tet lançada pelo Vietnã do Norte e Viet Cong durante a Guerra do Vietnã. Depois de perder inicialmente o controle da maior parte de Huê e seus arredores, as forças combinadas do Vietnã do Sul e dos Estados Unidos gradualmente recapturaram a cidade ao longo de um mês de intensos combates. A batalha foi uma das mais longas e sangrentas da guerra, e afetou negativamente a percepção pública norte-americana da guerra.

No início da Ofensiva Tet em 30 de janeiro de 1968, que coincidiu com o Ano Novo Lunar do Tet vietnamita, cerca de meio milhão de norte-americanos estavam envolvidos em operações de combate em solo vietnamita por quase três anos. A Rodovia 1, passando pela cidade de Huê, era uma importante linha de abastecimento para o Exército da República do Vietnã (ARVN) e as forças dos Estados Unidos da cidade costeira de Da Nang para a Zona Desmilitarizada Vietnamita (DMZ), a fronteira de fato entre o Vietnã do Norte e o Vietnã do Sul a apenas 50 quilômetros (31 milhas) ao norte de Huê.

Mapa da cidade de Huê e o início dos ataques do PAVN-VC, que fizeram com que as tropas norte-americanas e sul-vietnamitas defendessem ferozmente a sua posição com medo de serem aniquilados pelo inimigo.

A rodovia também dava acesso ao Rio Perfume, no ponto onde o rio corria por Huê, dividindo a cidade em partes norte e sul. Huê também foi uma base para barcos de abastecimento da Marinha dos Estados Unidos. Devido aos feriados de Tet, um grande número de forças do ARVN estavam de licença e a cidade estava mal defendida.

Enquanto a 1ª Divisão do ARVN havia cancelado todas as licenças do Tet e estava tentando convocar suas tropas, as forças sul-vietnamitas e americanas na cidade estavam despreparadas quando o Viet Cong (VC) e o Exército Popular do Vietnã (PAVN) lançaram a Ofensiva Tet, atacando centenas de alvos militares e centros populacionais em todo o país, incluindo Huê. As forças combinadas do PAVN-VC ocuparam rapidamente a maior parte da cidade. Durante o mês seguinte, eles foram gradualmente expulsas durante intensos e brutais combates de casa em casa liderados pelos Fuzileiros Navais dos EUA e ARVN, praticamente com as forças do PAVN-VC lutando até o último homem.

No final, embora a força combinada dos norte-americanos e sul-vietnamitas tenha declarado uma vitória militar, a cidade de Huê foi praticamente destruída, e mais de 5.000 civis foram mortos (2.800 deles executados pelo PAVN e VC), enquanto as forças do Vietnã do Sul mataram mais de 1.000 a 2.000 pessoas depois da batalha. O PAVN-VC perdeu cerca de 5.133 mortos, enquanto as forças aliadas perderam 668 mortos e 3.707 feridos.

O cruzador de mísseis guiados “USS Hué City”, da Classe Ticonderoga da Marinha dos EUA (US Navy), comissionado em 1991, recebeu o nome da batalha em homenagem aos Fuzileiros Navais dos EUA (USMC ou Marines) que participaram do combate, até hoje o único navio da Marinha dos EUA com o nome de uma batalha ocorrida durante a Guerra do Vietnã.

O USS Hué City (CG-66) é um cruzador de mísseis guiados classe Ticonderoga servindo na Marinha dos EUA (US Navy).

FONTES: Wikipédia, Getty Images, AP e Facebook do Canal Militarizando.

NOTA: A imagem da capa e as fotos postadas abaixo mostram a desesperada e encarniçada luta das forças norte-americanas e sul-vietnamitas em Huê, pois a guerra urbana é uma das mais complexas formas de combate e foi uma exceção na Guerra do Vietnã, que basicamente foi travada em ambiente de selva.