Poucos conhecem sobre os aviões da Regia Aeronautica Italiana (A Real Força Aérea Italiana) durante a Segunda Guerra Mundial que produziam máquinas que arrepiavam os pilotos Aliados, tanto que a Luftwaffe (Força Aérea Alemã) quando houve o armistício da Itália em setembro de 1943 os alemães usaram os poucos aviões Italianos capturados praticamente até o final da guerra.

Entre essas aeronaves podemos destacar o Macchi C.202 Folgore (“Raio”, em tradução livre) um dos destaques da Itália que chegou tarde no conflito e por isso foram produzidas apenas pouco mais de mil aeronaves, também tendo sido pouco usado pela falta de combustível que assolava a Itália durante a guerra.

Como seu antecessor C.200, o C.202 ficou bastante conhecido pelos pilotos da RAF (Real Força Aérea Inglesa) na região do Mar Mediterrâneo, pois eles não esperavam muito da aviação italiana, mas quando o viram em ação pela primeira vez, ficaram assustados com seu desempenho no Dogfight, principalmente por ser equipado com uma versão italiana do poderoso e confiável motor Daimler-Benz DB 601, que equipava o caça alemão Messerschmitt Bf 109.

Um piloto da RAF relatou sobre um encontro com um C.200 italiano em meados de 1940:
– Quando o vi acima de min não pude acreditar que ele estava conseguindo me acompanhar com tamanha facilidade, onde eu não podia mais dar um giro para fugir do seu campo de visão, me encontrei em uma perseguição sem fim.

Após a guerra, a nova Força Aérea Italiana operou alguns C.202 até 1948 e vários outros países operaram a aeronave até 1951.

FONTE: Facebook do Canal Militarizando.